terça-feira, dezembro 06, 2016

Nada como um viajante, pelas paisagens...

segunda-feira, dezembro 05, 2016

A não perder.
Ainda não fui ver, mas conheço o rigor e qualidade destas exposições:
http://lazer.publico.pt/exposicoes/367287_clima-expo-360
e deste Museu.
O Clima é, como diz a sabedoria popular, incontornável, assim como as maldades com que o estamos a perturbar.
Para todos uma exposição muito didáctica.

domingo, dezembro 04, 2016

Chuva, forte e violenta, e as inundações aí estão.
O nosso património infelizmente está muito, muito mal cuidado, o público (ontem tivemos mais duas tristes notícias de rapinagem de imóveis classificados, pelo camartelo) e o privado, assim que chove um pouco lá temos as inundações e os problemas das, nas casas e com o escoamento.
E nem falo nas ruas... que é o caos, total.
Ontem estive na Casa do Alentejo  onde o pátio árabe é uma goteira e o chão uma piscina...
Aí, o meu editor e amigo Fernando Mão de Ferro me ofertou este excelente livro sobre moinhos (a Colibri está a fazer uma venda nas próximas 6as e Sábados e no dia 17 poderão ouvir um dos meus contos inéditos!)
Sou actualmente, profissionalmente, moleiro, dos modernos, mas vejo, leio e cuido da importância dos moinhos, como passado, e importantes no processo de alteração das condições de vida e desenvolvimento da humanidade.
Este livro escorreito e bem documentado é uma pequenina delícia, dele saí  com um arroz descascado de alta calibragem!
E motivou-me uma interrogação. E os moinhos de Lisboa?
Em Monsanto havia, haverá vários. A saque?
Quem não cuida do passado descuida o futuro!

sábado, dezembro 03, 2016

Uma boa prenda, para todos os muitos, muito milhares que andarão por aqui...

sexta-feira, dezembro 02, 2016

Aqui há algum tempo referi que estava tudo determinado nas candidaturas em Lisboa.
Pois está tudo a correr como tinha previsto, excepto na área do Bloco e da cidadania.
A retirada de Mariana Mortágua abriu um espaço para mais cidadania, assim se saiba aproveitar a oportunidade. Voltarei ao tema, com energias...

Energias que trago aqui, como de costume... e dar a novidade, que a Zero tem estado distraída, que durante quase 24 horas ( e tenho que referir que têm aparecido uns textos "anónimos", na linha de uma opinião infundada de Mira Amaral, aliás parecem dele!, em vários jornais, a mencionar que existem sempre backups prontos a entrar em base, mas sem escrever que esses não são produção, estão em standby e logo não emitem CO2) o país esteve outra vez a renováveis e 96 ‰ eram só vento.
Pois em Lisboa no mês passado:
o fotovoltaico é a grande alternativa, só falta os custos continuarem a desdcer e as baterias a melhorar e temos um novo paradigma e uma nova cultura da energia.

A produção doméstica de electricidade a partir de painéis fotovoltaicos correspondeu a 225,1 kWh, o que permitiu abastecer os electrodomésticos da cozinha e os pequenos electrodomésticos .

O aquecimento de águas a partir de painéis solares térmicos em Lisboa permitiu a uma família poupar, por exemplo, 7,69 m3 de gás natural, durante o último mês.
Ou seja mesmo com as temperaturas a diminuir o calor é suficiente para quase metade dos nossos consumos caloríferos

E a produção de electricidade de origem eólica no mês passado permitiu abastecer 24 % das habitações de Lisboa.  

quinta-feira, dezembro 01, 2016

Uma campanha cidadã exemplar.
Em crowdfunding um grupo de activistas e cidadãos responsáveis, financiou uma útil sonda para medição da radioactividade no Tejo:
Aqui:
http://allbesmart.ddns.net/tejoseguro
Lisboa não está mais segura, mas pelo menos está mais informada!

quarta-feira, novembro 30, 2016

Durante 3 ( três!) horas percorri as salas do Museu de Arquelogia de Madrid, um dos melhores museus que já visitei.
este documento, embora não seja dos mais interessantes captou-me porque menciona Encinasola, terra de muitos parentes meus, vila geminada em carne e espírito com Barrancos.
Mas foi talvez esta espécie de abaco/secretária uma das muitas que me deixou fascinado...

Um museu que para além da linearidade histórica nos deixa fascinados pelas inter-relações que estrutura  e pelo presente em que nos mergulha.
Também não teria votado as moções a favor de um ditador, aqui um artigo que subscrevo quase a 100%:
http://leitor.expresso.pt/#library/expressodiario/28-11-2016/caderno-1/temas-principais/porque-continuo-anticastrista-por-daniel-oliveira
embora tenha a certeza que o futuro verá muitos mais arrependidos...

terça-feira, novembro 29, 2016

Em Madrid temos uma panóplia de lugares de culto, da gastronomia.
Estive em vários e apreciei os repastos e o ambiente, excelentes.
Madrid é uma cidade vibrante, sempre cheia de movimento e o restaurantes sempre cheios e a abarrotar de memórias.
esta é notável!
No Gijón, onde almocei entre museus e exposições.
e antes das iluminações...
que já marcam Madrid.




Sexta à noite, depois de uma ida ao Thyssen ver uma simpática exposição de Renoir, que tenho que dizer que não faz muito o meu gosto, e uma visita a um dos mais notáveis museus que já visitei, o Arqueológico, fabuloso (ver o blog Insignificante), depois de jantar num restaurante histórico fui a um dos locais que nunca perco, uma espécie de Hot Club de Madrid, o Café Central, onde assisti a um retemperador concerto de Anaut:
Sábado passei o dia numa reunião, com o objectivo de salvar Lisboa de um possível acidente nuclear em Almaraz, não sem antes, ainda na sexta, ter dado o meu contributo a uma manifestação de furiosas e furiosos contra o machismo e a violência sexual:

No dia que cheguei fui ver duas fantásticas exposições no Prado, de Clara Peeters e sobre Meta- Painting, uma evolução pela ideia de arte, além de ter dado uma volta pelos meus clássicos...noutro blog tenho imagens...
e fui ver se haveria bilhetes para a peça  " La Cocina" no Valle-Inclan, referenciado nesse dia no El Pais.
Já estava esgotado, a sala de 350 lugares esgota todos os dias...
Por artes mágicas arranjaram-me um bilhete, na 1ª fila!

Tenho que dizer que foi uma das melhores, talvez mesmo a melhor peça da minha vida.
Cenários fantásticos, e durante duas horas e meia, a actividade frenética de uma cozinha " industrial", por cerca de 30 actores de alta qualidade, sem uma quebra, com uma trama apropriada para os nossos tempos, o interculturalismo e o relacionamento social.
Fantástico!

Antes de ir a Madrid estive na Povoa de Sta Iria:
http://omirante.pt/sociedade/2016-11-24-Populacao-nao-pode-desistir-de-fazer-justica-no-caso-da-legionella
cheguei de Madrid e estive a falar numa iniciativa do: Centro Europe Direct Aveiro
Falei da União da Energia e critiquei, ferozmente a cultura da soberania, assim como a incapacidade de superar os horizontes nacionais e desenvolver uma nova cultura da Energia, inclusivé no quadro do recuado novo pacote da Energia em final de processamento.
A Europa continua a ser um sonho, mas só esse é que nos poderia afastar do pesadelo que se aproxima a passo de gigante.
O quadro de Rubens, o rapto da Europa, sobre a cultura que vale, que é universal, local e cosmopolita.
Trarei em próximas postas imagens e relatos de como vai Madrid!
 

quarta-feira, novembro 23, 2016

Morreu hoje uma Ex Presidente da Câmara de Valência e senadora.
Trago o tema aqui não pela senhora, desde logo no âmbito privado sendo de lamentar a ocorrência, mas pela dimensão pública e política que já está a ter esse evento.
A sra estava acusada de corrupção, aliás toda a sua vida política está repleta das piores manigâncias e traficâncias, conhecemos bem casos parecidos.
O caso é que logo hoje foi proposto um minuto de silêncio na congresso dos deputados e desse se ausentaram ( e eu que os crítico acerrimamente aplaudo o gesto!) os deputados do PODEMOS, que mencionaram o respeito pessoal mas o inapropriado que seria prestar uma homenagem política a uma pessoa acusada de múltiplos crimes de corrupção em acto.
Recordei pelo menos uma vez quando com Nunes da Silva tivemos que recusar uma homenagem (política) municipal a já não recordo quem, mas um fascista empedernido, que não sei por alma de quem o então Presidente António Costa decidiu prantear essa. Não ficámos sós, um ou dois socialistas e o PCP também recusaram, esse tributo.
Os momentos de homenagem devem ser para quem os merece e quem com a sua vida os honra.
Todas as mortes são momentos de reflexão

terça-feira, novembro 22, 2016

É já amanhã, pelas 18.30 na livraria #Palavra de Viajante# que vamos falar, também, disto:
Convite posta abaixo!

domingo, novembro 20, 2016

Foi aqui mesmo ao lado.
Por negligência criminosa de uma empresa de adubos, como está completamente, completamente mesmo, provado, morreram 14 pessoas e algumas centenas, mais de 4 centenas ficaram com sequelas da legionella. Foi aqui mesmo ao lado.
Ontem estive numa conversa no Grémio Dramático Povoense, e dei uma entrevista a um jornal local, a falar sobre as consequências da actividade industrial descuidada ou impossível de cuidar, como é o caso do urânio e todo o seu processo, embora aqui o enfoque fosse esta bactéria.
Quando das perguntas vários atingidos pelo crime desta empresa, e também pela incúria do Estado e das autarquias, além da incapacidade do sistema judicial e a leviandade de alguns dos seus agentes, tive ocasião de os colocar em contacto, estimular o associativismo e dar alguns conselhos da mais límpida sensatez para um maior empenho e pressão.
Conheço o choradinho desses bandidos e criminosos. Se pagarem indemnizações irão falir ( e lá irão uns postos de trabalho) a culpa foi do bêbado nesse dia (mas não foram vários, muitos?) ao serviço, foi um raio que caiu na cuba ( e então não se tomaram providências) ou não há provas ( mas como se a origem da bactéria foi completamente rastreada!).
A sessão embora pouco concorrida foi animada e julgo que ficou uma semente.
É preciso obrigar ao empenho autárquico, é preciso que o Estado e o sistema de justiça se mexam. Houve mortos, houve e há atingidos na sua vida e saúde. Todos, todos somos vítimas da legionella quando estes assuntos ficam em águas da dita.
A culpa não pode morrer solteira.
Agradeço à Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo e ao Grémio Dramático Povoense, assim como ao meu velho camarada Mota Redol o terem-me permitido falar e ouvir estas bravas gentes, que não podem ficar paradas. Vamos todos caminhar!

quinta-feira, novembro 17, 2016

Com o sistema de pesos e contra pesos em total ruptura, com um racista, misógino, contra as identidades sexuais, e defensor do criacionismo mais boçal (todo ele é boçal) e negacionista da realidade ( as alterações climáticas já nem são matéria de controvérsia cientifica, como a evolução...) a situação mundial, e desde logo nos E.U.A., onde conflitos poderão surgir, está no caminho do tal Armagedão.
E os fogos ( do inferno, para os bíblicos!) anunciam-se:
http://public.wmo.int/en/media/press-release/provisional-wmo-statement-status-of-global-climate-2016
atenção que isto não são os tais radicais...

quarta-feira, novembro 16, 2016

Para a agenda, tem um capítulo sobre os cafés... também, sobretudo de Lisboa!
e,

http://www.esferadocaos.pt/pt/catalogo_detalhe_semcoleccao297.html
… e aqui:
http://www.esferadocaos.pt/pt/
… e aqui:
http://www.esferadocaos.pt/pt/novidades.html
… e aqui:
https://www.facebook.com/esfera.do.caos.editores/photos/a.262529900540496.62136.262499113876908/1006270166166462/?type=3&theater
… e aqui:
https://www.facebook.com/esfera.do.caos.editores/photos/pcb.1004679562992189/1004679199658892/?type=3&theater

segunda-feira, novembro 14, 2016

Lua Cheia
Gatos no telhado
Cheira a chuva

Estive ausente 4 dias,
fui ver um fabuloso Escócia - Austália, numa cidade fantástica, onde há muitos bons exemplos para Lisboa.
desde logo a iluminação de monumentos e outras obras de arte, que tem uma vida e cria uma empatia excepcional!

e, além de excelentemente conservada por toda a cidade estão assinalados os locais ou casas de memória!
E claro a animação é do melhor, aqui...
Mais fotos e opinião em http://signos.blogspot.pt

quarta-feira, novembro 09, 2016

A democracia é um sistema perverso, Hitler também foi eleito democraticamente, sabemos que com a cumplicidade dos comunistas, como hoje Trump é eleito com a ajuda de alguma esquerda, que continua a defender a lógica do quanto pior melhor, ou a ignorar as diferenças entre as direitas, que também saiu derrotada.
Ainda recentemente me diziam que o voto aconcelhável era... em branco, sem perceber que esse é um voto numas eleições bipolares é o voto num, assim como o voto foclórico.
A democracia é um sistema perverso, hoje à mercê de populismos endinheirados, ou não, e pela Europa, e aqui mesmo ao lado,  também já os temos.
Hoje é um dia triste, não para a democracia que está jubilada e cooptada pela demagogia e extremismos, mas para as liberdades públicas e os direitos.
Felizmente em mais Estados, nos E.U.A., pode-se fumar uma ganza, em público, sem ir para a prisa. Logo que tenha os resultados finais aqui os divulgarei.Ao menos o sonho ganhou mais liberdade. Infelizmente o mundo abeira-se da guerra e um maluco tem o dedo no botão.
Pode destruir Lisboa!
Um artigo visionário:
http://www.huffingtonpost.es/michael-moore/trump-va-a-ganar_b_11212536.html?utm_hp_ref=spain
aqui:
http://www.nola.com/elections/index.ssf/2016/11/marijuana_referendum_results_9.html